30 de set de 2012

Ela abriu a porta e passou reto


Ela abriu a porta e passou reto como se não houvesse ninguém ali, jogou suas coisas na cama e voltou para sala, cumprimentou como se fosse qualquer outra pessoa, sentou e pegou seu computador. Evitou ao máximo qualquer tipo de contato até ouvir o famoso "A gente precisa conversar". Abandonou o computador e com um sorriso sínico no rosto disse "Estou te ouvindo". Os minutos, talvez horas seguinte foram uma troca de indiretas, patadas e arrependimentos. Nada mais interessante que uma conversa de "ex-namorados". Algumas lágrimas, algumas respirações mais profundas e muitas alterações de voz.


Antigamente aquilo seria tão diferente, ela se jogaria aos braços dele perdoando qualquer mentira, seria sua bebê e nada mais estaria errado. Mas a vida a fez crescer, ela não era mais um bebê, era uma mulher. Uma mulher que já havia superado aquele antigo amor.


Algumas frases românticas até tocaram aquela mulher, mas foram só jogadas fora do ponto de vista dela mesma. Silêncio percorreu a sala por três ou quatro minutos, ele se levantou e puxou ela pelo braço, um abraço era tudo que aquele menino teria da mulher que ele ajudou a crescer. Um suspiro, "Eu só não quero que esqueça que eu tentei, que quando quiser tentar estarei aqui" o abraço mais forte foi inevitável, "Eu já tentei demais por nós dois, agora eu aprendi a conseguir sem você". Nada mais foi dito, a porta se abriu, ele olhou para trás e esperou esperançosamente durante aqueles dois minutos em esperava o elevador, algum sinal que o fizesse voltar, não aconteceu. Ela fechou a porta sem nem esperar ele entrar no elevador, suspirou de alivio e não de dor.


Naquele momento ela percebeu que mais importante que voltar ao passado, era seguir o presente. Era claramente gratificante ouvir todas aquelas palavras, era como se  estivesse recebendo de volta tudo que desperdiçou durante tanto tempo. Mas ela já não queria aquelas migalhas, aprendeu a lidar com coisas bem maiores, com sentimentos maiores, com responsabilidades maiores, com amores maiores.