5 de out de 2012

Ela até que seria bem bonita


Ela até que seria bem bonita. É, seria. 


Não fossem as lágrimas nos olhos e olhos cansados. Não fossem as olheiras das noites mal dormidas e esse sorriso triste. Não fosse a Adele no topo de sua lista de mais ouvidas. Mas havia algo decididamente bonito em seus esforços quase sobre-humanos para sobreviver, seu jeito triste e cansado de seguir em frente, ainda que aos pedaços. 



Com seu andar inseguro, sempre pronto para levar outro golpe da vida. Com o cigarro aceso e o copo sempre meio cheio. Ela era muito bonita sim. Talvez nem soubesse disso, mas por trás daquela maquiagem tão bem feita, havia algo de muito mais beleza ainda. Havia um amor imenso, que ignorando todo seu bom senso, continuava fazendo a esperança crescer dentro de si.


E seguia sempre em frente, com um olhar profundo e carente. Ignorando toda raiva que deveria sentir dessa gente, ela apenas sacudia a poeira do chão imundo em que mais uma vez fora deixada pra trás, sussurrando baixinho, meio que para tentar se convencer, que um dia, alguém teria que ficar.