10 de mar de 2013

Benefício da dor



Depois de tanto tempo lutando, insistindo, se machucando, voltando, caindo e superando ela finalmente se deu por vencida e desistiu. Não foi por falta de tentativas, de força de vontade e muito menos aquela desculpa do o destino quis assim. Desistiu pois isso já lhe esgotara física e psicologicamente todas as alternativas.

Pegou uma garrafa da bebida mais forte que a dispensa vazia podia lhe oferecer. Bateu a porta atrás de si e se perguntou porque, naquela noite, não tinha necessidade de engolir o choro e a resposta veio quase que imediatamente porque as coisas aparentam ser mais fáceis quando a decisão parte de nós mesmos. Uma mentira completamente deslavada. Não queria chorar, simples assim. Era uma parte dela partindo e o único sentimento que reinava ali dentro era de alívio.

Sentou de frente para o mar. Naquela noite deixaria para trás uma garrafa e um maço de cigarros vazios. Pensou em escrever algo em uma folha qualquer, enfiar dentro daquela garrafa e lança-la ao mar para que talvez, algum dia, alguém possa compreender essa dor. Seria lindo, se não fosse trágico. Sorriu ao pensar naquela ideia maluca e se lembrou de como ele a fazia se sentir normal diante de cada insanidade que ela apresentava. Sentiu saudades, mas apertou com força no peito e seguiu em frente porque a vida ensinou que era preciso ser assim. Um amor morre aqui, outro nasce dali a dois meses. E nessa vida de altos e baixos, talvez algum dia você encontre alguém que fique. Mas enquanto isso não acontece por favor traga-me sua bebida mais forte e me deixe sozinha.

Ficou sentada na praia até o dia amanhecer. Quando o Sol começou a brilhar no horizonte azul finalmente deu por si que precisava realmente acordar para a vida e ir trabalhar. Levantou-se, sacudiu a areia que ficara presa sobre sua roupa, ajeitou a jaqueta de uma forma mais confortável, prendeu os cabelos num coque e foi. Porque a vida não para e o romantismo ficou preso lá no século XX. Mas fazer o que? Era só uma escritora, que precisava da dor, e que talvez até gostasse dela.