21 de mar de 2013

Esboço




Noite passada terminei mentalmente com você. 


Eu mesma debati a questão em silêncio, argumentei, depois chorei, jurei que eu mudaria, que você mudaria, que tudo mudaria. Mas não iria adiantar. Não tinha mais e se.


Cara, você esgotou todas as minhas possibilidades de te fazer feliz. E sabe como é, não se ajuda quem não quer ser ajudado. Tentei me convencer que era melhor assim. Que dessa vez eu não estava pensando mais em você do que em mim. 



Mas aí você não apareceu, nem eu fiz muita questão de te procurar, e acho que acabei esquecendo de te avisar. E esse mesmo tempo que nos divide e nos separa talvez acabe por nos unir de novo. No fundo, ambos sabemos que  preferimos assim. Essa incerteza. Esse talvez, do que o fim definitivo que a gente tanto esboça e deixa pra terminar depois.