31 de mar de 2013

Passou?



Hipócrita seria se dissesse que vai ficar tudo bem. Que vai virar passado, que não vai doer tanto assim. Mas não é assim, vai machucar e muito. Serão várias perguntas sem resposta, noites mal dormidas e explicações completamente pejorativas. 

Vai doer tanto que você vai implorar para esquecer, para seguir em frente e deixar pra lá. Vai aparecer aquela pessoa que te lembra ele, que vai ter um sorriso parecido, um sotaque, um perfume. Você vai lembrar de lugares, pessoas que conheceram, momentos que viveram. Vai aparecer alguém que tente ocupar o lugar dele ai dentro, talvez você até deixe mas aí descobre que dói ainda mais.

Vai aparecer alguém que pergunte dele, aí seu coração acelera, seus olhos enchem d'água e você diz que tá tudo muito bem, obrigada. Você vai ouvir inúmeras vezes a mesma música, canta-la entre soluços e assassinar a nota mais alta. Vai agarrar seu travesseiro e deixa-lo encharcado antes de finalmente adormecer. Vai querer se jogar em festas, vai querer conhecer pessoas novas, sair e se divertir. Vai descobrir que não é bem por aí que as coisas funcionam. Vai chegar a conclusão que nada nunca mais vai se acertar e lá vamos nós de novo.

Todo começo precisa de um fim, assim como todo o fim um dia foi começo. Depois de tudo isso, você vai se acostumar com aquela ausência. Não vai doer mais tanto assim, embora aquilo ainda permaneça ali dentro firme e forte esperando para florescer novamente. Você vai começar a lembrar com carinho e não mais com desespero. Vai lembrar de alguma coisa engraçada que fizeram e vai sorrir. Vai sentir aquela pontinha de saudade dentro do peito, mas que até dá pra segurar. Vai suspirar e dizer cara, era por isso que eu te amava. Vai acabar deixando de lado, enquanto der para aguentar.

Mas reafirmo, vai doer muito antes de ficar quase tudo bem. Mas como diria meu querido Diego Miranda "passou, como tudo passa e algo em tudo que passa fica"