15 de abr de 2013

Histórias, nossas histórias.



Parece que agora é realmente o nosso fim. Esse fim que não deve um começo e muito menos um meio. Éramos duas pessoas mimadas, carentes e cheias de afeto para dar. Mas no fim das contas, acabou.

Sei que não mereço expressar-me em palavras, depois de tudo que aconteceu. Mas eu preciso te dizer mais uma vez que eu tentei. Cara, como eu tentei. Lutei contra meus próprios instintos, aqueles que viviam me dizendo que isso nunca iria dar certo, e dei uma chance para nós que nunca existiu. Talvez não tenha sido o melhor mas não em canso de te dizer: eu tentei.

Lembro-me de todos os nossos momentos. Como da nossa primeira vez juntas, próximo a faculdade, perdidas entre os casarões. Você sabe, nunca fui de demonstrar aquilo que realmente sinto. Sou dessas pessoas que se fecha em uma cúpula de vidro e torce para que ninguém consiga invadi-la porque eu preciso dessa solidão. Ai você apareceu, foi chegando e aos poucos foi ficando. 

Ouvi de nossos amigos que nós nos devíamos essa chance, essa tentativa de começo. Nós estávamos dentro do seu carro, próximo a minha casa. Você queria ouvir da minha boca aquilo que nunca tentei expressar. Mas não foi por mal, não consigo. Entre toda aquela insistência e cobrança por palavras, te beijei. Achei que fosse o suficiente para demonstrar aquilo que eu sentia, ou pensava que.

Fomos embora, tentamos recomeçar mais uma vez e aqui estamos nós. Eu sinto sua falta, não vou negar. Sinto falta de ouvir você discordar de mim, só para me irritar. Sinto falta de você me chamar de drama queen. Das nossas idas no cinema, nossas discussões sobre livros e tecnologia. Sinto falta do seu drama, do seu jeito mimado e completamente irritante. Mas é diferente, sabe? Sinto falta da sua presença como um todo, não como um.