16 de mai de 2013

Filme - Somos tão jovens






Num dos primeiros posts que fiz no Música da Semana, falei sobre a volta da radio rock. Quem não lembra ainda dá pra ver aqui. Lá eu contei sobre como meu pai me levou para esse lado maravilhoso da música, rock'n'roll, me mostrando bandas brasileiras da década de 80 e entre elas estava lá uma das primeiras bandas que me apaixonei perdidamente, Legião Urbana.

Vocês podem imaginar o pequeno infarto que tive quando anunciaram o lançamento desse filme, né? Logo na semana de estréia joguei meu pai no banco do carona e fomos correndo assistir.

Eu nunca pensei que fosse segurar tanto o choro num filme (com exceção de Harry Potter que choro até hoje em todos os filmes, aos prantos). A produção é simplesmente fantástica, sem falar que o Thiago Mendonça arrebentou na representação do nosso querido Renato Russo. 

O filme conta a história dele e dos amigos. Do seu primeiro contato com o punk em plena ditadura militar, as drogas e a homossexualidade. Conta como a sua primeira banda surgiu, o Aborto Elétrico, até virar a Legião Urbana. No decorrer do enredo ele acaba soltando algumas frases que acabaram virando suas músicas mais famosas, como Eduardo e Mônica e Meninos e Meninas, claro que é apenas uma analogia para fazer nossos corações de fã saltitarem até porque essas músicas vieram bem depois dessa fase narrada no filme. Além do Renato Russo aparecem também outros músicos brasileiro que eu amo de paixão, como Dinho Ouro Preto (Capital Inicial) e Hebert Viana (Paralamas do Sucesso).

Simplesmente uma produção perfeita. São quase duas horas de filme que te prendem do começo ao fim. Aliás a história da criação da música Ainda é Cedo, citada de cabo a rabo no filme, é incrível (choramos a música toda, de suspirar e soluçar, juro).

Indico de olhos fechados e coloco minha mão no fogo para esse filme. Tudo indica que possa haver uma continuação, ou talvez seja apenas meu lado fã implorando para que isso aconteça. 






Claro que eu não poderia falar dele sem deixar aqui uma imagem, uma saudade e uma nostalgia. Obrigada Renato, por nos emocionar mesmo depois de tanto tempo.



E ai alguém já assistiu o filme? 







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários