2 de jun de 2013

Ainda é cedo



Escrevo e apago mil e uma vezes tudo o que eu quero te falar. E nesse borrão de letras e sentimentos, não consigo me decidir o que dói menos.


Quero te ver, e por querer tanto sei que provavelmente ainda não seja a hora. A saudade às vezes é tão grande que chega a me sufocar, eu quero mas não consigo falar, engasgo, afogo, prefiro então ficar calada, o peito dói, olhos se enchem de lágrimas e eu engulo mais uma vez essa falta que você faz aqui. Mas na maioria do tempo, apenas ignoro tudo isso e sigo feliz com minha vida solitária.


Eu não quero alguém. Eu quero você. Mas primeiramente, eu quero a mim mesma e a minha paz. Eu quero seguir os meus planos e sonhos e você mais do que ninguém me entende por isso. Ah, como eu te entendo também. Eu demorei, mas entendi, e apreendi.


Todo o peso de como inevitavelmente nos anulamos quando estamos juntos não anula a dor de não te ter presente. Mas concordamos que ainda é cedo, e eu mantenho viva a esperança que ainda seja tempo, antes que seja tarde demais.