2014

2014? Foda-se

13:30


Se tem uma coisa que me tira do sério nas comemorações de fim de ano é a obrigação que as pessoas tem de ser feliz. Além é claro dos quilos a mais, das piadas sem graça à mesa, das pessoas que você só encontra nessa época, daquele seu ex que reaparece em busca de um romance por pura carência. Porque na verdade, quem é feliz o tempo todo? Isso geralmente começa com o verão. Não sei de onde eles tiraram a ideia de que é terminantemente obrigatório ser feliz nessa época.

Outra coisa que não faz o menor sentido são os projetos que começam a ser escritos APENAS semanas antes do ano acabar e trazem consigo um turbilhão de promessas, daquelas que você mesmo sabe que nunca vai cumprir. Qual a diferença de planejar em dezembro ou em junho? Dá na mesma. Mas todo esse lance de novo ano, novo ciclo, novos desafios, novas escolhas, novo, novo, novo e novo é que dá aquela vontade de fazer acontecer. É claro que isso dura até, no máximo, o carnaval do ano seguinte.

Ouso a dizer que existem amores que são criados em cima desse marketing natalino. Nessa época tudo é bom, lindo e perfeito. Se um velho gordo pode invadir sua casa e fuçar na sua árvore de natal à espera de um copo de leite e biscoitos, porque não encontrar o amor eterno naquela sua agendinha excluída de ex? Não deu certo da última vez mas ah, é ano novo, vida nova, amor velho, vai que rola?

Época essa, também, onde as pessoas se sentem no direito de reclamar do ano que passou. Todo meu feed, de todas as minhas redes sociais mostram a mesma coisa: esse ano foi ruim, o próximo que me surpreenda. Quando esse pessoal vai começar a entender que um ano não faz você e sim você que faz um ano? Posso dizer, com todas as letras, cuspir para cima e esperar cair na testa, que esse ano aprendi demais o que foi extremamente difícil.

Esse ano foi uma época completa de transição, para mim. 2013 não pode ser considerado, nem de longe, um dos melhores anos da minha vida. Olha só, cuspindo pra cima. Blergh! Porque tá, eu sei que tem algumas épocas que o mundo simplesmente gira a seu favor. Mas não estou reclamando, apenas aceitando que esse foi completamente desafiador. Além de bater palmas para meu coração que não se deixou cair na lábia do que chamo de ex-atual-namorado-de-fim-de-ano.

Mas agradeço as pessoas que fizeram parte dessa minha época conturbada, aquelas que chegaram e ficaram. Pessoas que me conheceram de verdade e que me aceitaram por ser assim. Agradeço também pela mudança radical de vida, embora dolorosa a gente sabe que é sempre para melhor. Agradeço ao espelho pela perseverança, pela coragem e pelos desafios que foram cumpridos. Agradeço pelas sementes que foram plantadas, porque essa é a parte mais difícil de toda colheita. Porque o pensamento de "ah, pelo menos eu tentei" é muito melhor do que aquele maldito "e se?". 

Aprendi nesse ano sobre o poder da tentativa e do erro. Se não deu certo se dê no máximo dois dias de luto pelo projeto falido, coloque-o de volta na gaveta, pegue o próximo e volte àquele quando sentir que está preparado. Eis aí outra coisa que esse ano me ensinou, voltar atrás depois de algum tempo nem sempre é a pior opção. Cresci, amadureci, me recriei mas também me iludi. Não quero que o próximo ano me traga dias melhores. Não quero promessas furadas durante a passagem, kilos de uva no meu estômago à meia noite ou qualquer outro tipo de superstição - que me desculpem os supersticiosos - completamente fajuta.

Menos planos, mais vida. Menos promessas, mais ações. Menos palavras, mais gestos. Menos dúvidas, mais certezas. Menos saudades, mais abraços. Menos distâncias, mais amores. Não só no início do próximo ano. Não só nesse verão. Quero tudo isso o ano inteiro. No inverno, na chuva, nos dias ruins e dias bons. Quero histórias para contar, desafios para viver e que nunca nos falte um combo livro-café para relaxar. Que não nos falte amor, que não nos falte a quem amar. Que nos sobre festas, cervejas gelada e motivos para comemorar. Seja no próximo ano ou na vida inteira. Que não nos falte motivos para sorrir, coisas a buscar e gente para abraçar. Que não nos falte amor, porque se você tem amor você tem tudo. Mas sobre 2014? Ah, foda-se.






You Might Also Like

0 comentários

SUBSCRIBE

Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf
Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf

Todo o conteúdo é criado pela equipe Idealiizar e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada a seu devido autor. Todas as opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores. Declaro que as imagens aqui utilizadas não são de minha autoria, salvo exceções, e que qualquer problema relacionado ao uso indevido de imagem deverá ser encaminhado para idealizar.me@gmail.com.