4 de dez de 2013

Sufoco



Sábios são aqueles que aceitam que a saudade é uma coisa boa. Assim como uma droga que tomada na medida certa te faz bem, se a dosagem for demais te sufoca de dentro pra fora.

Manhã de domingo. Me deixei levar pelo horário e dormi até que meu corpo se cansasse disso. Levantei e fiz um café, quente e solitário. Tudo que eu precisava aceitar era que a tua ausência tinha se tornado rotina desde a nossa última briga. Você foi embora e disse que não ia mais voltar. Fiquei remoendo as palavras que não foram ditas. Engoli com algumas torradas a frase que você adorava me ver repetir: por favor, fica!

Não te pedi para ficar, apenas te deixei partir. Já faz uma semana e ainda não tive meu drama, apenas agi como se nada por aqui tivesse destruído. Mas você sabe que faz falta. Chequei minhas mensagens no celular, algumas eram suas mas eu tinha certeza que cada vírgula ali escrita me deixaria ainda com mais necessidade de te esquecer. Droga, porque não posso simplesmente te deixar para trás e seguir em frente, sem que isso seja forçado e prestes a explodir dentro de mim?

Eu precisada chorar, desabafar e te deixar sair aos poucos aqui de dentro. Coloquei nossa música no último volume, acendi meu último cigarro e sentei entre a sua TV e o nosso sofá. Escrevi seu nome em vários post its que encontrei na sua caixa organizadora e espalhei pela casa. Finalmente chorei, vi o mundo ficar turvo e perder o sentido.

O rádio já havia tocado a mesma música tantas vezes que nem percebi o tempo que havia passado. Peguei as últimas folhinhas coloridas que não foram rabiscadas e escrevi com tinta preta: amar não dói. Não percebi mais um último post it havia ficado grudado entre o vão daquela sua caixa organizadora e dizia: hey girl, i love you Você sempre sabe o tamanho dos meus surtos e como fico toda vez que você diz ir embora. Peguei meu celular e uma de suas mensagens me dizia: Dessa vez me deixa pedir pra ficar? E ai, mais uma vez me peguei desistindo de desistir de você.