amor

E se...?

16:41


Existem duas palavras que, se utilizadas em conjunto, trazem arrependimento tão grande que chega a vir acompanhado de uma bela dor de estomago. Mas é um tipo de arrependimento completamente diferente daquele que surge depois que fazemos algo de errado. Depois que nos arriscamos, que pulamos de cabeça em algo e vimos que no final não era aquilo que realmente pensávamos ser. Essas duas palavras que, juntas, trazem consigo um novo significado para nossa vida. Isso depois que aprendemos a não utiliza-las, é claro, pois acredito que a falta delas no nosso vocabulário diário nos mostra como a vida pode ser realmente surpreendente.

Sempre quis viver um desses amores que enfrenta tudo e todos. Daqueles memoráveis e dignos de um romance de Shakespeare. Amores que atravessam gerações, que contam histórias e que permanecem sempre intactos conforme os anos tendem a correr. Mas essas duas malditas palavrinhas que me deixam aqui, com as mãos e pés atados e uma imensa vontade de sair correndo e viver o grande amor da minha vida. As pessoas vivem me dizendo que nunca é tarde para amar. Mas e se eu não quiser amar amanhã? Se eu não quiser esperar passar dos 30? Se eu não quiser esperar minha promoção chegar antes de encontrar alguém que possa dividir esse sentimento?

Num mundo onde o sexo também foi globalizado, e completamente utilizável, fica completamente difícil descobrir o real significado do sentimento. Não que eu esteja reclamando, porque afinal sou um ser humano tecnicamente racional que gosta de sexo tanto quanto de comidas que farão mal à minha saúde daqui alguns anos. Mas em algum momento do dia sempre falta o amor. Sempre falta aquela pitada de sentimento saudável. Me falta aquele quê de quero mais. Mais paixão, mais amor, mais madrugadas acordada conversando com alguém, mais pôr do Sol na praia.

É saudável querer sempre mais não? Pelo menos, tecnicamente deveria ser assim. Mas chega um momento em que cansa de procurar. Procurar algo ou alguém. Criar expectativas em cima de outra pessoa que também é um ser humano tecnicamente racional. Construir castelos de cartas e ficar rezando para que a chuva de ventos da semana passada não tenha chego para derrubar pedacinho por pedacinho daquilo que fora construído. Porque não tem nada mais frustrante do que dar-se à alguém e não receber nada de volta. Tá, o pior é se dar e não se receber de volta depois que tudo tendeu ao desmoronamento.

E se nunca acontecer? E se já tiver passado? E se eu tivesse feito? E se eu tivesse deixado? E se fosse para ter acontecido? E se fosse como eu esperava? E se ele fosse o meu alguém? E se eu já tiver deixado meu amor passar? E se ele encontrar outra pelo caminho e desistir de me conhecer? E se eu tiver feito a faculdade errada? E se eu me ferrar mais para frente? E se eu não tiver ninguém a quem me segurar para seguir? E se não tiver ninguém para trilhar meu caminho comigo? E se, e se, e se. Malditas palavras que estragam seu dia.




You Might Also Like

0 comentários

Comentários

SUBSCRIBE

Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf
Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf

Todo o conteúdo é criado pela equipe Idealiizar e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada a seu devido autor. Todas as opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores. Declaro que as imagens aqui utilizadas não são de minha autoria, salvo exceções, e que qualquer problema relacionado ao uso indevido de imagem deverá ser encaminhado para idealizar.me@gmail.com.