19 de jan de 2014

Look at the stars



Olhando as estrelas hoje eu pensei em você. Olha só como são as coisas, faz uma cara que a gente não se vê, não se fala, praticamente já não se lembra, convenhamos. Mas se eu olhar as estrelas, eu sempre vou me lembrar de você. O triste disso é que é sinal de que tenho olhado pouco para as estrelas. Talvez eu tenha parado até de sonhar. Com meus pés cansados sempre correndo pra chegar a lugar nenhum. Sem ter você e nem ninguém que me diga, pare, olhe, preste atenção. O céu está ali, estamos todos aqui, basta que você pare para admirar. Sua imensidão e sua serenidade. Seus mistérios e sua poesia. Está tudo ali, você não vê?

Tudo porque você me dizia aquela frase de Oscar Wild sobre estarmos todos na sarjeta, mas alguns de nós estão olhando as estrelas. Simples e bonito, verdadeiro, como a vida deve ser afinal. Me parando bem no meio dos meus devaneios mais loucos e incoerentes. E seu abraço, e seu olhar. Sua cumplicidade em seu olhar. É bem verdade que seu colo afugentou meus medos e me tirou dos meus piores pesadelos quando tudo era caos. Quando eu não tinha esperança, nem sonhos, nem futuro. 

E seu olhar foi de encontro ao meu, como se duas estrelas idênticas de galáxias completamente diferentes se chocassem de repente. E eu nunca mais fui a mesma. E se às vezes eu ainda me perco e me esqueço quem eu sou, sei que basta que eu olhe para o céu. Eu sou uma sonhadora. Eu sou uma idealizadora, construtora de castelos que eu mesma deixo ruir de novo e de novo, pra começar sempre de novo. Um dia eu me aquieto. Ou talvez não.

Olhando as estrelas, eu sempre lembro, que em um outro mundo, em um outro tempo, se as coisas fossem mesmo ideais, se não fossem todos os poréns, as bagagens pesadas demais, nós estaríamos vivendo nossos sonhos. Sim, aquele mesmo sonho de viver nosso sonho. Parece até gozado dizendo assim. Mas eu sei, que passe o tempo que passar, quando você olha as estrelas, você também se lembra de mim.