amor

Mudar por fora, manter-se por dentro

18:25


Eu mudei. Cara, como eu mudei. Foi uma mudança um tanto trágica que no fim acabou por dar certo. Eu mudei por dentro e por fora. Me refiz como alguém que perde tudo em um desastre natural. Me remendei como alguém que acaba de ser deixado. Me fiz, me moldei, me entretive, me mantive, me busquei, me entreguei. Conheci pessoas, desfiz amizades que não valiam o nome, caminhei por onde tinha medo, mudei meu guarda roupa, meu cabelo, minha maquiagem. Tirei a menininha que existia dentro de mim e guardei um pouco aquela coisa ranzinza e durona que você conheceu. Mas infelizmente, nem tudo é fácil de mudar.

Quando digo à mim mesma que te deixei de lado, dias depois sou obrigada a aceitar que essa é a única mentira que sou obrigada a repetir diariamente. Digo que você não me faz falta, que já superei tudo aquilo que nós passamos. E também aquilo que não passamos. Eu te guardo dentro de mim no lugar mais apertado que consigo. Encho o peito de orgulho e repito três vezes ao espelho que não preciso de você para voltar a sorrir. Infelizmente eu não preciso mesmo, mas cara como é difícil fazê-lo.

Eu não tenho mais tanto medo de te perder, tenho medo de me perder em você. Tenho medo de me acostumar com a sua presença de tal forma que a sua ausência se torne completamente inaceitável. Tenho medo de ver você chegar de mansinho e ir ficando, como um cachorro em busca de carinho. Tenho medo que você vá embora assim que se sinta satisfeito. Que você vá embora na nossa primeira incerteza, porque sabemos que nós em si somos completamente incertos. Tenho medo de nunca mais amar alguém como eu te amo.

É difícil descrever o amor, confesso. Mas ele transborda em mim de tal forma que acaba sendo irreal não conseguir fazê-lo. Eu te amo com todas as gotas de sangue do meu corpo. Amor que chega a ponto de engolir dois terços do meu orgulho e dizer que tenho saudade. Porque a saudade está sempre aqui, presente como um estômago vazio ronronando de fome toda vez que você quase aparece, ou deveria aparecer. Mas eu não quero mais escrever sobre saudade.

Jurei aos sete ventos que dessa vez seria diferente. Eu me mudaria, por dentro e por fora. Faria inúmeras pessoas sorrirem e que daria o máximo de mim para tentar te esquecer, assim de vez. Mas que difícil! Que saco! Eu tentei por substituição, por isolamento, por tentativa de te fazer sentir minha falta. Eu tentei de todas as formas que você pode tentar esquecer alguém. Eu tentei, juro que tentei. Mas o amor é maior do que eu. Eu neguei, eu nego, eu não me entrego. Mas no fim do dia tudo que eu mais queria era um abraço seu.



You Might Also Like

0 comentários

SUBSCRIBE

Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf
Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf

Todo o conteúdo é criado pela equipe Idealiizar e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada a seu devido autor. Todas as opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores. Declaro que as imagens aqui utilizadas não são de minha autoria, salvo exceções, e que qualquer problema relacionado ao uso indevido de imagem deverá ser encaminhado para idealizar.me@gmail.com.