7 de fev de 2014

Sexo sem Tabu - Pela liberdade de uma rapidinha (+18)



Não sei de onde veio todo esse melodrama de que sexo bom é sexo longo. Não meu amigo, sexo bom é sexo significativo. Aliás, eu acho que todo esse alarde vem daqueles que nunca tiveram o prazer de experimentar uma rapidinha.  Daquelas que a gente faz no chuveiro. no banheiro da casa da tia, no carro estacionado na frente de casa, na casa do amigo enquanto ele foi comprar mais cerveja, naquele cantinho escuro. 

Esse tipo de sexo deve ser o mais aventureiro, também. Tendo em vista a quantidade de lugares públicos que eu citei anteriormente. Mas cara, não existe muita coisa melhor no mundo do que uma rapidinha bem feita - exceto sexo completo, mas isso é outra história. Não sei de onde vem tanto preconceito. É claro que deve existir um acordo mutuo entre os casais. Se você pagou o jantar, pegou a suíte mais cara do motel, levou champagne, jogou flores na cama, disse que amava e aquela coisa toda, esteja certo de que ela está passou duas horas da yoga se preparando pra essa noite. 

Mas ai é segunda feira cedo. Vocês acabaram de acordar para ir ao trabalho. Ela levantou de mau humor, colocou o café na mesa, sussurrou um bom dia e foi para o chuveiro. Esse é o momento. Tenho certeza que se você surpreendê-la no banheiro, aqueles 10 minutos ali com a água correndo vão fazer toda a diferença. Qualquer sexo faz a diferença se ambos estão de acordo com a falta de limites que ele pode oferecer. 

O cara não é brocha porque terminou rápido - pelo menos nem sempre. Talvez ele saiba satisfazer uma mulher em menos tempo do que muito por ai sequer conseguem encontrar o próprio pau - ou apenas pensar nele. Rapidinha é uma arte que deve ser aprimorada e feita principalmente nessa correria paulista que nós vivemos. Quem tem tempo de praticar um sexo memorável de duas horas durante a semana, depois do trabalho e da faculdade? Eu afirmo: ninguém - se você tem devo-lhe os meus sinceros parabéns. Mas nem por isso é preciso deixar de lado esse prazer da vida, porque... né?

Só sei que já ouvi inúmeros casais reclamando da falta de tempo e disposição. O que eu, particularmente, acho um absurdo não ter disposição para viver. Deixar de fazer sexo é como ser obrigado a andar com um tubo de oxigênio pregado às costas por conta do ar rarefeito. Investir no sexo rápido é garantir o prazer, sempre. Porque ninguém merece um sexo de uma hora dentro do carro. Continuo defendendo a minha tese de que hoje em dia só não ama quem não quer.