30 de abr de 2014

Porque eu prometi ser para sempre?


“Para sempre não quer dizer que isso ou aquilo vai durar pelo resto dos seus dias, quer dizer que você nunca esquecerá”. Li essa frase em um livro que encontrei por acaso em uma das milhares de prateleiras da livraria que fica perto da minha casa. Me lembrei de você. Quer dizer, como não lembrar?! Nunca pensei que escreveria sobre você novamente. Já faz tanto tempo. Tantos anos. Tantas pessoas que vieram depois. Mas aqui estou eu.

Todas as promessas que fiz e as tentativas de cumprir todas. A maior promessa foi que não escreveria sobre você, de novo. Que sequer remexeria nessa parte do meu, do nosso, passado juntos. Pra ser sincera, não é sobre você, mas sobre todas as pessoas que são como você, então acho que a promessa ainda está valendo.

Vamos a um fato para a maioria das pessoas: ninguém – ou quase ninguém – que começa um relacionamento imagina como será o fim. Acabei aprendendo, ao longo dos anos em que nos mantivemos separados, que às vezes a culpa não é nem de um e nem do outro. Às vezes só não era pra ser. Ou não era pra ser naquele momento. O futuro das pessoas é muito incerto e ainda não possuímos o poder de descobrir como ele será. Sabe aquele ditado clichê que diz que o destino – ou Deus, que é praticamente a mesma coisa - escreve certo em linhas tortas? Pois é. Quem as vai consertando, é você.

Não comecei te pedindo perdão porque primeiro você precisava entender que o foco disso aqui não é o meu pedido de perdão, mas te fazer entender porque não podia ficar com você. Quando eu dizia “para sempre” e jurava de dedinho que iria ser, nunca me referi a estar com você até meus noventa e poucos anos, mas sim que nunca esqueceria seu nome e o que ele significou, um dia, pra mim.

A verdade é que não existe contrato eterno de amor e felicidade. As dificuldades e neuras sempre vão existir, mas vão depender 50% de cada um pra que elas não virem limitações e finais.

Você nunca vai deixar esquecer algo do seu passado. Essas coisas vão continuar dentro de você, só que mais guardadas ou escondidas que as outras. Meu problema foi que eu não podia resolver toda a sua vida. Eu não podia ser sua mãe. Eu era sua namorada. Mas você não se colocava no posto de namorado, mas sim de filho. Alguém que eu precisava cuidar para que não passasse por problemas e etc.

Mesmo que você não esteja mais aqui comigo, você nunca será pra outras pessoas o que foi pra mim. E é nisso que eu me seguro sempre que lembro de você.

Antes de querer amar, odiar, chorar, superar, precisamos entender. Entender que as coisas são, sim, para sempre. Para sempre dentro dos nossos corações. Dentro do meu ainda é, e do seu?



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários