amor

Meios amores que partiram - Feche a porta quando sair

10:05

 Tumblr

Entrei na padaria pela manhã. Cabelos embaraçados pelo meu travesseiro, olheiras depois de passar uma noite terminando relatórios da faculdade e um cansaço extremo. Não reconheci a garota que vi pelo espelho, atrás dos pães que o atendente contava. Não estava nada fácil dormir pouco e estudar demais. Mas quem sou eu para reclamar? Foi a vida que escolhi. É a vida que amo. E, enquanto discutia mentalmente com os pães e o espelho na minha frente ele apareceu.

Neguei três vezes que poderia ser ele. Não, a vida já estava sendo pesada demais comigo para agir assim. Enquanto estava prestes a sair correndo porta afora sem me importar se o atendente colocou ou não a quantidade certa de mortadela no saquinho ele veio até mim. Com aquele sorriso que tirava qualquer garota do sério. Seu olhar que arrancava a roupa de qualquer uma e seu jeito malandro de arrastar os pés enquanto andava. Ele veio.
Foi como observar a Medusa por algum tempo.

Senti meu rosto congelar num sorriso e toda a simpatia do mundo era expressa por minhas palavras. Consegui até perguntar se a mãe dele estava bem, se a sua cachorrinha continuava destruindo o sofá e se ele ainda estava na academia. Consegui manter um diálogo razoável, o que me surpreendeu. Isso foi além da minha capacidade e necessidade de não se entregar. Vamos marcar alguma coisa qualquer dia, ele disse. Como um botão de "liga e desliga" uma luz vermelha invadiu minha razão.

Não adiantou me ligar bêbado de madrugada dizendo que sente minha falta porque não sentiu. Não sentiu minha falta enquanto me deixava em casa e saia para se perder em outros corpos. Não sentiu minha falta nas noites boêmias que a vida lhe proporcionou. Não sentiu minha falta, sequer, quando nossa música tocou. Por favor, não venha com essa, você não sentiu minha falta o sexo que era bom.

Era bom ter alguém para quem correr quando as coisas apertassem. Era bom ter um ombro pra desabafar e uma bunda para acordar roçando o pau duro no outro dia de manhã. A companhia, as conversas, os discussões literárias, os shows, os filmes, o amorzinho, o sexo e o carinho na barriga. Era bom, mas não o suficiente para te fazer ficar.

Meu celular tocou. Uma mensagem, foi o suficiente para fazer com que meu dia mudasse completamente, para melhor. Um nome piscando na tela, "amor". Recusei o convite, peguei minha sacola e fui embora. Desculpa querido, você teve a sua chance. Agora preciso cuidar de quem resolveu ficar.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Enquanto lia o texto, um filme começou a passar lentamente em minha cabeça. Acho engraçado quando isso acontece!
    E sabe, o fim da minha história é EXATAMENTE o mesmo fim de suas palavras, eu simplesmente decidi cuidar de quem se envolveu por completo e decidiu ficar.

    beijos
    http://jurodemindinho.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, as vezes desapegar é o melhor que a gente faz né? Cuidar de quem fica e não de quem vai e vem como se fôssemos catraca do metrô.

      Fico feliz que tenha se identificado <3

      Excluir

Comentários

SUBSCRIBE

Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf
Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf

Todo o conteúdo é criado pela equipe Idealiizar e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada a seu devido autor. Todas as opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores. Declaro que as imagens aqui utilizadas não são de minha autoria, salvo exceções, e que qualquer problema relacionado ao uso indevido de imagem deverá ser encaminhado para idealizar.me@gmail.com.