22 de abr de 2015

Pelo fim da ocultação - É permitido sentir saudade

R

Por todas as vezes que alguém entrou no ônibus com o teu cheiro e eu desci cinco pontos antes do meu, só pela vontade de caminhar. Por todas às vezes que alguém falou no teu nome e eu senti uma vontade enorme de ir embora do meu bar favorito porque de repente virou horrível.                                
 
Eu me rendo.
 
Foi saudade.
 
Só saudade.


E eu posso parar de negar agora ou espero até as luzes apagarem? Eu posso te ligar agora ou espero os três shots de tequila? Eu já posso vestir minha camiseta de super-mulher ou posso admitir que é impossível jogar a nossa historia no ralo assim?
Antes que alguém encha a boca pra dizer “vai ficar tudo bem” eu preciso adiantar que já está. Está tudo bem e tudo no lugar. Foi assim que a gente decidiu, depois de bater com força aquela porta que parecia que não ia fechar, certo? Está mesmo bem e dessa vez não preciso me render.
No fim das contas eu só queria poder dizer que eu sinto saudade por que o peito aquietou desde a sua partida. E é tão sem graça viver assim sem meu aconchego. É só pra poder dizer que as borboletas pararam de bater as asas e meu peito quase deu um nó tentando imitar sua bagunça.
Eu não gosto da calmaria.
Por todas as vezes que eu não disse, mas o peito gritou, eu sinto saudade de nós dois e do teu cobertor. Eu escondo segredos dentro de mim que só teu acalento saberia contar, e eu mudo de ideia sempre que tento negar. Não é por você. É por nós, e por todas as vezes que nós ficávamos a sós.
Por todas as coisas que eu quis sussurrar no seu ouvido, e por todas as coisas que eu gritei bem quietinha. Só você me fez sentir. É saudade do beijo que balançava a estrutura, e não desse vazio todo disfarçado de superação. Eu sinto é saudade do teu caos, que se dane o que vão pensar!
Se é proibido sentir saudade do peito cheio, da certezas, e das incertezas deliciosas, eu quero é que se dane toda a proibição. Sinto saudade da nossa história e de como eu me sentia quando sentia a sua mão.
Eu sinto saudade. 
 
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários