22 de fev de 2016

Me deixa te contar uma história: eu sinto saudade

Imagem de amor, beer, and drunk

Três dias antes de assumir que estava ridiculamente apaixonada, eu sonhei com você. Na casa da praia, que quase pertence aos dois. Deitados no sofá, com a mão na cintura, rindo, como se fosse sua.

Três dias.

Foi o que eu precisei pra tirar o sonho da cabeça. Acordava corada, a voz embargava, criava coragem até pra levantar cedo. Que loucura que era. Andava na rua, até sorria com as buzinadas.

Não tinha mais pra onde fugir, eu podia correr a pé pra Jurerê que aquele sentimento era teu. “Mas que merda eu fui fazer?”, já falava sorrindo. Nada me tirava aquela maldita alegria da cara.

Só quando você sumia, dias, e voltava dizendo que vinha as onze, mas não vinha. Mesmo assim era só falar que ia, que a alegria tava lá, nem parecia que sabia, que você não iria aparecer.

Três dias.

Foi tudo o que passou desde que eu tive o mesmo sonho. O sofá mostarda não me deixa enganar. “Que porra foi essa?” me perguntei, ao acordar.

Nunca tinha visto sonho reprisar. 

De tudo, foi só o sonho. Acordei atrasada, dedo do meio pro primeiro motoqueiro!

meu amor me fazia melhor.

Caso você queria saber,
Além de tudo que você se tornou (e obrigada por), é disso que eu sinto saudade.
Ainda moro na mesma casa,
Você traz a cerveja e sou eu quem me embriago, no seu cheiro, no teu lábio - claro.
É disso que eu sinto falta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários