critica

The Night Of – A série que você precisa ver agora!

16:22



Sufocante, instigante e essencial para qualquer seriador, The night of exibiu sua season finale no dia 28 de agosto e já se consagrou como uma das melhores estréias do ano.


Naz, um americano descendente de paquistaneses, é convidado para uma festa da faculdade. Após perder sua carona, ele resolve pegar o taxi do pai e ir à festa sozinho, mas o que parece mais uma noite comum se torna um pesadelo. Depois de passar a noite com Andrea, Naz acorda na casa da garota e a encontra morta, desesperado ele resolve fugir, mas não chega muito longe. Principal suspeito do crime, Naz é acusado do assassinato e vai para Rikers Island, onde indiciados de crimes graves esperam julgamento.

A minissérie discute muito sobre preconceito e injustiças, principalmente nos sistemas criminais e judiciais. Naz se mostra muito ingênuo no episódio piloto e todas as suas ações vão apenas construindo evidências cada vez mais incriminatórias para si. Não sabemos se ele é realmente culpado, isso só é deixado claro no fim da temporada. Mas no primeiro episódio, naquela fatídica noite, o que temos como ponto de partida é “lugar errado, hora errada”. Tudo dá errado para aquele cara aparentemente inocente, e todas as suas ações podem parecer culpadas, quando na verdade são apenas sucessões do acaso.


Nada é desperdiçado na trama de The night of, todo close, todo diálogo, toda cena ou objeto apresentado, será de suma importância em algum momento. Bem parecido com The wire nesse quesito, tudo o que é apresentado em seus episódios é uma construção consistente, um caminho a ser percorrido para a estruturação sólida e bem arquitetada.

O elenco perfeitamente escalado eleva a qualidade da história, te fazendo ficar vidrado não apenas na trama e acontecimentos, mas em cada passo dos personagens. Apesar do excelente elenco, como por exemplo Michael Kenneth Williams, eterno Omar de The wire. O grande destaque vai para Riz Ahmed e John Turturro que dão um show e roubam todas as cenas em que atuam. A empatia com os personagens cresce através dos episódios e o espectador vai ficando cada vez mais apreensivo pelo desfecho que a cada novo acontecimento se demonstra cada vez mais agridoce e inesperado.

Riz Ahmed (Naz) que eu conhecia apenas por seu bom trabalho em “O abutre” traz aqui um Naz retraído e frágil, mas que através da temporada e de suas transformações na cadeia, te leva a pensar se realmente são mudanças ou se ele sempre teve esse lado obscuro escondido. O crescimento e a ambiguidade acerca da inocência do personagem são muito bem executados junto ao roteiro bem elaborado e o talento de Riz, que me impressionou totalmente.

Os olhinhos pidões de Naz dão pena, nos fazendo ficar divididos entre acreditar nas evidências e especulações ou no que acreditamos ter visto acontecer.


John Turturro interpreta impecavelmente o advogado porta-de-cadeia Jack Stone (papel que originalmente seria do falecido James Gandolfini), que em apenas alguns minutos do episódio piloto demonstra brilhante domínio de tela, e um promissor personagem. No lugar certo e na hora certa (ao contrário de Naz, ironicamente) Stone consegue o caso, que devido a gravidade das acusações, promete alavancar a carreira do advogado desacreditado por todos. Seu personagem tem muito peso na trama, e vai desenvolvendo a ponto se tornar central e protagonista ao lado de Naz, principalmente nos últimos episódios. 

Apesar de presenciar algumas reclamações na internet sobre o foco em sua doença de pele, a relevância disso vai se mostrando aos poucos e de forma contundente, pois é inegável que a doença afeta sua vida e principalmente sua alto-estima no trabalho. Stone ser apenas aquele advogado que cobra 250 dólares quando você assina um acordo vai muito além de um trabalho preguiçoso, pois vemos através de sua empreitada no caso de Naz que Stone é um ótimo e experiente advogado.


A fotografia e a direção da obra são pontos a se elogiar fortemente. A beleza das cores frias da imagem densa e realista, sempre com ângulos e planos interessantes, auxiliada pela segura e consistente direção, fazem The night of caminhar aos poucos através de seus 8 episódios de forma firme em uma historia intensa, claustrofóbica e muito bem escrita.

É possível ver falhas na condução policial desde o começo da historia, a certeza que os detetives possuem acerca da culpa de Naz faz com que seu trabalho desleixado fique estagnado sem a procura de novos suspeitos. Através da temporada e até mesmo dos indícios mais sutis do episodio piloto, vamos deduzindo aos poucos quem é de fato culpado. Suspeitos vão surgindo aos montes no julgamento e você não sabe mais em quem confiar. As cenas de tribunal começam mornas até se tornar uma protagonista poderosa.

Claro que não vou passar nenhum spoiler e dizer se no fim descobrimos se Naz é mesmo culpado ou não, mas há uma reflexão muito grande que a série nos traz, como o processo criminal é injusto.


O sistema judicial se mostrou falho em diversos aspectos, quando uma pessoa aparentemente inocente começa agir da forma que Naz age na prisão, você percebe que em como tantos casos, um inocente foi corrompido (assim com em 1 contra todos, por exemplo). Se Naz for o culpado tudo bem, estamos falando de consequências simples. Mas e se não for? Ele está na prisão aguardando julgamento, então até aí ele ainda não é um condenado. E se ele sair da cadeia? Mesmo que seja inocentado, nunca mais sua liberdade será a mesma. Primeiro, a exposição que sofreu na mídia, e a forma como a maior parte da população já o julgara como culpado. Segundo, sua relação com a família e amigos já foi abalada e depois de suas transformações na cadeia, nada mais será igual.

Ainda me faltam elogios para descrever a série e todas as emoções sentidas ao assisti-la. A precisão da narrativa ao lado dos diálogos de tirar o fôlego e personagens que se sobressaem fizeram com que The night of se destacasse grandemente.


A ambiguidade acerca da inocência de Naz faz com que o suspense fique cada vez mais instaurado na trama, provocando todo tipo de reação no espectador. Não é toda série que constrói sua trama assim, de forma tão bem trabalhada e coerente, junto a um realismo incontestável. Intensa e agonizante, The night of te faz mergulhar de cabeça na história de Nasir Khan e Jack Stone, em uma atmosfera sempre pesada e perigosa que a própria trama cria.


Apesar do aparente interesse da HBO em transformar a minissérie em uma antologia, The night of ainda se caracteriza apenas como série limitada, fisgando o espectador com seus excelentes oito episódios, com certeza deixando sua marca no mundo das séries. 


You Might Also Like

0 comentários

Comentários

SUBSCRIBE

Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf
Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf

Todo o conteúdo é criado pela equipe Idealiizar e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada a seu devido autor. Todas as opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores. Declaro que as imagens aqui utilizadas não são de minha autoria, salvo exceções, e que qualquer problema relacionado ao uso indevido de imagem deverá ser encaminhado para idealizar.me@gmail.com.