dica

Filme: Até o último homem

11:34


Durante a Segunda Guerra Mundial, um médico do exército americano se recusa a pegar em uma arma e matar pessoas. Com 6 indicações ao Oscar 2017, a história real do soldado Desmond Doss, é contada no filme dirigido por Mel Gibson.

Até o último homem é um ótimo filme de guerra, não chega a ser memorável como O resgate do Soldado Ryan, por exemplo, mas é uma boa obra do gênero, um dos melhores que vi nos últimos anos.

Andrew Garfield está excelente no papel de Desmond, sempre fui fã do ator e já o vi interpretando ótimos personagens, mas ele realmente impressiona aqui, não esperava que seu trabalho fosse ser tão bem feito, a indicação ao Oscar de melhor ator foi justíssima. Andrew se entrega por inteiro ao personagem, e apesar de nomes conhecidos no elenco, como Hugo Weaving, Teresa Palmer e Vince Vaughn, é Garfield quem rouba todas as cenas.



É interesse acompanhar toda a trajetória do soldado pacifista que deseja ser médico do exército para que possa salvar vidas ao invés de tirá-las, também é ótimo acompanhar alguém que possui convicções religiosas, mas que não busca enfiar suas crenças goela abaixo do espectador. Sua religiosidade é presente durante o filme, pois faz parte do que o personagem é e seus princípios, no entanto isso não significa que o filme venda uma imagem de “se for cristão vai viver, se for ateu vai morrer”. Os personagens não são julgados por suas crenças e suas mortes são doloridas.

O primeiro ato do filme não é nada excitante, apesar do desenvolvimento do personagem ser convincente e necessário, o romance com a personagem de Teresa Palmer é pouquíssimo crível e até mesmo tedioso em certos momentos. A partir do momento em que o personagem está em treinamento, e principalmente quando Desmond se encontra em batalha é quando as coisas começam a esquentar e o filme conquista de verdade.



A montagem bem feita junto a competente direção de Gibson entregam cenas de batalhas impressionantes, bem coreografadas e empolgantes. Como quase todos os filmes de guerra hollywoodianos há sempre certa “glorificação” da guerra, apesar da idealização do herói típico americano, as cenas de batalha são cruas e não romantizam a morte pela pátria. Os momentos de violência impactam e chocam, as sequências de guerra são de tirar o fôlego.



Mel Gibson manda bem na direção, Coração Valente, Apocalypto e A Paixão de Cristo evidenciam seu talento como diretor. O filme é emocionante, o romance pode ser piegas, mas todo o resto é satisfatório e fazem as duas horas de produção valerem a pena. 


You Might Also Like

0 comentários

Comentários

SUBSCRIBE

Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf
Todo o conteúdo é criado pela equipe do blog e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada ao seu devido autor. - See more at: http://www.raiannymartins.com/2014/03/cartas-para-o-meu-primeiro-amor-mais-um.html#sthash.F1Ctpv9o.dpuf

Todo o conteúdo é criado pela equipe Idealiizar e qualquer cópia total ou parcial deve ser creditada a seu devido autor. Todas as opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores. Declaro que as imagens aqui utilizadas não são de minha autoria, salvo exceções, e que qualquer problema relacionado ao uso indevido de imagem deverá ser encaminhado para idealizar.me@gmail.com.