13 de set de 2017

50 em 5

Imagem de couple, grunge, and pink

Oi, garoto.

Você é meu novo amor. Mas não se assuste.

Não vou entrar aqui no mérito do que pode significar o amor. Amor pode ser usado aqui apenas como força de expressão, porque para uma pessoa tão intensa quanto eu qualquer paixãozinha pode ser devastadora. Algumas mais e outras menos, é fato.

E o que eu espero de você? Nada mais, nada menos que decepção. Isso mesmo, decepção. É o que todos me dão no fim das contas. Alguns machucam mais e outros menos, também é fato. Mas para alguém acostumada a viver essa média - a la Kubitschek - de 50 (amores) em 5 anos, decepção não é nada com o que eu já não esteja mais do que acostumada.

Nem acho ruim, se você quer saber. Está tudo bem e vida que segue. Começo a suspeitar que na verdade são as decepções que movem a vida, e não o amor. E acho isso realmente hilário, apesar de já ter achado trágico. Outro fato é que eu aprendi a jogar e viver com o que tenho. E se é uma coleção de amores decepcionantes que eu tenho, é com isso que vou viver e, pasme, posso inclusive ser feliz com isso.

Não vou deixar de amar. Não vou deixar de ser intensa. Então, meu querido, me dê o que você tiver que me dar. E não se assuste se eu me assustar, caso você não venha a me decepcionar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários