4 de set de 2017

Eu só queria ser livre

Imagem de cool, fashion, and fun

Certo dia ouvi alguém dizer que "isso era feio, ainda mais para uma moça", e não entendi. Feio é maltratar os pais e depois tirar foto dizendo que os ama. Feio é estuprar, matar, ofender, mentir, dissimular situações e, outras tantas coisas que eu não sei o que aquela pessoa quis me dizer. Se uma mulher é bagunceira, é relaxo. Se um homem é, deixa que é o jeito dele. Se uma mina fala palavrão, puta. Se for um homem, deixa é o jeito dele de se expressar. 

Quer dizer que tudo bem eles fazerem de tudo enquanto elas, as belas recalcadas e do lar não podem simplesmente dizer um foda-se, bem alto? Que mundo injusto esse. Eu falo palavão pra caralho, escrevo pra cacete e xingo mais pessoas em pesamento do que qualquer um possa imaginar. 

As pessoas tem uma ideia a vessa quando falamos de feminismo. A gente só quer ser livre da mesma forma que eles são. "Entre para o exército, carrega um bujão de gás ou uma caixa pesada", vocês provavelmente me dirão e, cara, tudo bem. Tudo bem se vocês fizerem essas coisas primeiro porque quem manda feminista entrar para o exército são aqueles que foram liberados. Quem manda carregar caixa, trocar uma lâmpada e coisa e tal, não faz nem isso na própria casa. Então, tudo bem, a gente faz o que tivermos que fazer para não nos verem como apenas um objeto sexual... mas, faça primeiro.

"Feminismo é falta de rola de bunda, depois que é estrupada fica mais esperta", tem coisa que é melhor a gente não responder porque cansa. Cansa tanto que, quem diz isso, é o cara mais cansado do mundo em relação a se cuidar. Então, sente a vibe e dá um tchau da janelinha pra essa gente que acha que o feminismo não leva a nada. A gente cansa de explicar, e cansa muito.
  
Mas, dê que adianta eu ser livre se as pessoas sempre me chamam de puta? Fica difícil ser feliz assim.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários