31 de jan de 2018

A sutil arte de ligar o foda-se



Quem me acompanha no Instagram já deve ter percebido que eu leio mais do que o normal e menos do que eu gostaria, confesso. Mas para estrear a TAG de livros eu escolhi um que me chamou muita atenção e me surpreendi com ele.

A Sutil Arte de Ligar o Foda-se é uma obra do escritor e blogueiro Mark Manson que funciona da seguinte forma: tudo bem você não estar bem o tempo todo, a todo momento e foda-se essa merda. Diferente daqueles livros de autoajuda Manson pensa diferente, o que é muito legal e intrigante, diga-se de passagem. O que pegou, pelo menos para mim, foi fazer tudo diferente do que ele fala no livro. Por exemplo: "você não é capaz" eu pensava "vai se foder eu sou capaz sim", psicologia reversa realmente funciona.

Mark também já gerou algumas revoltas entre os brasileiros, antes de publicar esse livro, quando ele descreve claramente como é morar no Brasil. A nossa cultura, nossos costumes e aquele jeitinho brasileiro que a maior parte das pessoas tem quando querem conseguir alguma coisa. 

No texto ele diz: "Se você precisa pagar por algo muito mais caro do que deveria custar para se sentir especial, então você não é especial. Se você precisa da aprovação de outras pessoas para se sentir importante, então você não é importante. Se você precisa mentir, puxar o tapete ou trair alguém para se sentir bem sucedido, então você não é bem sucedido. Pode acreditar, os atalhos não funcionam aqui". Antes de você ficar com raiva dele pare e pense um pouquinho, será que ele não está falando a verdade? Se você quiser ler o texto todo clique aqui.

E é mais ou menos isso que o livro propõe. Uma psicologia reversa que chega a dar nos nervos, mas que realmente faz sentido. Ele sugere para que paramos de fugir dos nossos medos e incertezas e encara-los de cara: ou vai ou vai, sem segundas chances. Quando comecei a ler esse livro as coisas ficaram bem mais claras para mim. Por exemplo: eu morria de medo de ser rejeitada, independente do que a pessoa fosse para mim. Desde que eu li já falei "te amo" várias vezes, em várias situações, sem medo de me sentir rejeitada. Já me declarei para alguém e sempre digo, agora pelo menos, quando as pessoas são bonitas. Ninguém sabe o que ela está passando, as vezes um elogio é o que falta para deixar a vida mais bela para aquela pessoa.

Outra coisa que me chamou a atenção quando ele conta a história de Bukowski antes de entrar na literatura. Recusado por várias editoras ele sempre meteu o foda-se quando disseram que ele deveria mudar a sua obra para que ela fizesse sucesso algum dia. Nunca precisou ser quem não era para agradar ao público, ele falava sobre os fracassos para contar as suas alegrias depois. Incrível, né?

Como eu disse no Instagram vai virar livro de cabeceira. Toda vez que eu pensar em desistir Manson vai dizer: "você não é capaz" e eu direi "vai tomar no cu, sou capaz sim".


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários