28 de ago de 2018

Assédio no transporte público: a culpa não é minha



(Imagem: Pinterest)

A culpa não é minha se eu trabalho o dia todo e optei por estudar a noite, em busca de um futuro melhor, porque sou mulher, e saio da faculdade correndo para pegar o metrô, caso contrario é só no outro dia. Na madrugada as coisas pioram, né? Quer dizer, algo me diz que essa teoria está muito errada ultimamente.

Quero ter meu direito de ir e vir, a qualquer hora, em qualquer lugar. 

É pedir muito?

A culpa não é minha quando você faz piadinhas machistas para fazer parte da "turma dos seus amigos". A culpa não é minha se você dá em cima de mim na balada, me pega pelo braço e eu digo que tenho namorado, aí você vai e pede desculpas para ele. Não pede pra mim, você violou o meu corpo, pede para mim, não para ele. As vezes, eu só puxei um amigo para dizer que era meu namorado, quem nunca? Aí você pede desculpas para ele, não para mim.

A culpa não é minha se em as músicas que você ouve as palavras "novinha" e "senta aqui" fazem parte da grande maioria. Saiba separar a realidade da música, é tudo que eu te peço. A culpa também não é minha quando você fica bravo e me chama de "feminazi". Não, pelo amor de Deus, isso não tem nada haver com a minha realidade. Você nem sabe qual é. Você não sabe o que é andar sozinho pela rua, sempre atenta a todos os sinais possíveis para se, por sorte, conseguir se livrar de um estupro.

Você não sabe o que é andar pela rua e se sentir o último pedaço de bife no açougue da esquina. Você não sabe que todas as vezes que assobia eu fico com medo. Pode parecer algo bobo, mas definitivamente não é. Você pensa, e quer que eu leve, como um elogio. Mas não é assim, eu fico com medo. Medo de você fazer algo com o meu corpo que eu não queira. 

A culpa não é minha se eu gosto de meninas e você diz que "isso é falta de rola, deixa eu te pegar para ver se não vira mulher de verdade". Eu sou mulher de verdade, apenas não sigo o padrão que foi imposto pela sociedade patriarcal. Todas as coisas machistas que você fala, todas elas que você sente quando vê um pornô, tudo acaba trasbordando em mim.

Só você não vê.

Eu não preciso ser a sua mãe, sua irmã ou sua amiga para me respeitar. Eu sou eu. Eu sou o que eu mesma decidi ser. Eu não mereço isso. Eu não mereço ser estuprada por algum parente, por um completo desconhecido ou até mesmo pelo meu próprio marido. Não mereço isso, assim como nenhuma outra mulher merece. Você não vê que essas suas atitudes matam mulheres cada vez mais? Você ão vê que vai me matando aos poucos? Você não vê o quando é difícil a própria policia acreditar que foi realmente um estupro?

FOI UM ESTUPRO SIM!

A partir do momento que não de dei autoridade nenhuma sobre meu corpo é estupro sim. Quando vocês vão começar a entender? Não é minha culpa. Pelo amor de Deus, não é... por favor... não...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários