19 de set de 2018

Por onde andei - Sozinha (parte 2)

Araraquara significa "Morada do Sol" e essa foto é da varanda do primeiro apartamento que morei lá.

Como eu ia dizendo na parte 1, minha vida deu muitas reviravoltas, tantas e algumas tão doloridas que não cabem aqui, desde minha primeira viagem sozinha.

Decidida a largar a vida de adulto precoce que eu assumi ao prestar concursos em vez de vestibulares quando sai do colegial, eu estudei por conta e acabei passando na UNESP em Araraquara.

FCL/Ar - UNESP

E bom, eu não sabia na época, mas vim a perceber que mudar de cidade para estudar é como viajar sozinha. E eu que até então nunca havia nem mudado de casa, não fazia ideia de que, parafraseando Forfun, sou capaz de me sentir em  casa em qualquer lugar, mas continuo sendo turista em todos.

 Foi choque de realidade sair de uma cidade do interior para uma mais interior ainda, em distância e em população. No começo dá medo, largar tudo ir para uma cidade desconhecida, morar com desconhecidos e estudar com desconhecidos de todos os lugares e criações diferentes da sua.

Nessa época eu estava tão entorpecida pela depressão e pelo desejo de fugir de minha realidade que acabei me entregando completamente a experiência. A única pessoa que eu conhecia em Araraquara era meu primeiro (ex) namorado, com quem eu não falava há uns 6 anos, mas que foi uma pessoa incrível e me deu uma baita força pra achar lugar ficar, além de me apresentar alguns dos meus veteranos de curso.

Uma delas foi também minha veterana de república, onde eu morei pelos quatro primeiros anos da faculdade, ganhei meu apelido de Ritalina - remédio para déficit de atenção e hiperativa que eu nunca tomei, mas acham que eu deveria tomar -, e o principal: encontrei uma família. 


Morar em república é isso: encontrar uma família com quem você vai dividir o que eu gosto de chamar de os melhores piores anos da sua vida, porque não, não é fácil estudar fora de sua cidade, mas é maravilhoso, acredite.

Descobrir a cidade foi uma coisa que foi acontecendo bem aos poucos e apenas em partes. Vivemos em uma bolha universitária que é difícil de ser ultrapassada, por ambas as partes - estudantes e nativos de Araraquara. Isso tem seu lado bom e ruim, e acredito que nem toda cidade universitária seja assim.

No final das contas a gente acaba se acostumando, mas eu me perdia muito no começo. Google maps na mão, perrengue atrás de perrengue, o mundo novo e enigmático se tornou conhecido. Tão conhecido que me fez perder o medo de outros desconhecidos de certa forma.

Quando me mudei, eu não me imaginava morando sozinha sobre hipótese alguma. Agora, no quinto ano de faculdade, optei por essa alternativa e estou tendo uma nova percepção da cidade, da vida universitária e, principalmente, da minha própria vida.

Essa experiência de vir estudar fora me proporcionou muito mais do que uma grade acadêmica pode proporcionar. Me apresentou pessoas e situações que me abriram para novas oportunidades de ir além e enfrentar mais uma vez meus medos, tudo a seu tempo.

E tudo ao seu tempo logo tem a parte três com mais uma aventura sobre por onde andei sozinha, porque acredite, esse é só o começo!

E você, também pensa ou já saiu de sua cidade para estudar? Conta pra gente, ou manda aí suas dúvidas e inseguranças quanto a isso que a gente tenta te ajudar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários