15 de nov de 2018

Carta aberta para Mendes


Oi, meu amor. Como estão as coisas por aí? Bom, por aqui a gente sente muito a sua falta. Mas, para não chorarmos de novo, eu vou contar um pouco de como a gente se conheceu e como a nossa amizade foi crescendo cada dia mais, assim como o meu amor por você.

Eu e a Luísa nos conhecemos no nosso primeiro emprego. Eu tinha 18, ela não parecia ter 15 de tanta cara de menina que ela tinha na época.  No primeiro dia ela chegou conversando, contando a vida de uma maneira que parecia que nos conhecíamos a vida toda. Talvez fosse de outras vidas, né? E eu, como toda escorpiana, pensei: meu Deus, que mina maluca! E observei ela. Mas posso falar? Essa "observação" não durou nem dois dias, quando dei por mim já estava completamente apaixonada por ela.

Então, como nos víamos todos os dias, nossa amizade foi crescendo cada vez mais. Um dia estávamos falando sobre filme, e Click entrou na lista do que mais choramos. Até que você a frase mais clichê do filme todo, eu respondi que sim. Desde então, escreviamos essa frase em todos os papéis que encontrávamos e dava uma pra outra.

E nossa, era incrível demais isso.

Nós sempre dividimos a marmita e zuavamos que lá no fundo só ficavam os fracos e oprimidos. As vezes a gente dava aquela ostentada de sair pra comer fora no horário do almoço, mas isso tinha que ser combinado muito tempo antes porque o salário não era tão bom assim, né?

Mas, sabe o que era bom? Acordar todos os dias pensando em ver você.  Em falar com você e zoar os nomes estranhos que o povo tinha - desculpa Deus, mas não dava pra segurar. Aí nosso contrato acabou e cada uma foi pra um emprego diferente. Se vocês pensam que nossa amizade esfriou por conta, disso estão redondamente enganados.

Ficou ainda mais forte.

Num belo dia, olhando todas as postagens de amor dela e da Marília, chamei as duas num grupo e disse: cara, se criamos um blog juntas? Elas amaram, toparam e só faltava escolher o nome. E foi difícil chegar um nome que representasse tanto a gente. Então, assim foi criado o Idealiizar em 2013.
Era só um espaço que teríamos pra desabafar, até porque quem ia querer ler os textos de três meninas cheias de drama? Em uma semana, chegamos a mil visualizações. Entramos em êxtase, cada alguém tava lendo a gente!! Desde então, fomos pensando em várias formas de atrair o nosso "público" - sim, nos empolgados demais. Pensamos em falar de moda, mas já tinha vários blogs falando disso. Aí a coisa foi indo. Veio filmes, música e, nossa tag master, Sexo Sem Tabu.

Um belo dia, depois de ter lançado meu livro, perguntei se elas queriam lançar os textos que não tinham sido publicados no Idealiizar. Tiramos várias fotos com o Lessa e finalmente a Má conheceu a Lu. Mas, até agora, esse projeto não foi pra frente - ainda.

Só queria dizer, Mendes que você está fazendo muita falta aqui. Eu ainda não apaguei nossas últimas mensagens porque, cara na moral?, tá foda demais aceitar tudo isso. Mas um dia de luto e vários de glória, não era isso que você dizia pra gente?

É difícil perceber que nossos sorrisos não vão se encontrar, não vou ver mais seus olhos brilhando de felicidade e não vou mais sentir o seu cheiro. Mas quer saber? Eu me orgulho do mulherão da porra que você se tornou, e isso é o que move a continuar aqui no Idealiizar e construindo todos os sonhos que IDEALIZAMOS, juntas!

Obrigada por compartilhar essa vida maluca e insana comigo. Por ouvir meus desabafos e por dar risada da minha cara sempre que eu fazia alguma merda. Obrigada por ser minha amiga, companheira para todas as horas e momentos que a vida parecia querer nos engolir por completo.

Gratidão, minha pequena e azeda Luísa, por fazer dos meus dias mais felizes, mesmo que distantes fisicamente uma da outra. Gratidão por me amar sem querer nada em troca e por me ensinar isso também.

Me tornei uma pessoa muito melhor desde que nos conhecemos.

Te amo, muito e muito. Mas, me tira só uma dúvida Mendes: você promete me amar amanhã de manhã, Luísa?

Eu prometo, sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários