26 de dez de 2018

To me desapegando

Pintura de uma menina a fumar

Tudo começa com uma roupa. Fazem meses que ela estava guardada no meu armário esperando o momento certo. Esse momento nunca chegou. Talvez eu tenha engordado, emagrecido, encolhido com a velhice e aquele vestido está lá, largado as traças. Tá na moda usar coisa retrô né? 

Mas, felizmente, eu não quero mais.

Desapeguei das bagunças escondidas na gaveta. Se fez um ano que tava lá, é porque eu não precisava constantemente daquilo. A não sei um durex que eu perdi a muito tempo que nem cola ele tinha mais, esse eu usaria ainda. Joguei fora todas as coisas que estavam alo só por estar. Presentes de ex que eu detestava, só fingia que gostava porquê estávamos juntos. Ursinhos de pelúcia, sapatos e até um travesseiro, que era razoavelmente novo mas me dava uma dor nas costas, eu me desapeguei.

Me livrei de tudo.

Agora só falta o emocional. 

Limpei todas as gavetas internas de dentro do meu peito onde guardei cada um que fez parte da minha vida, numa esperança fajuta que esse romance voltasse a todo vapor direto proa meus abraços apertados. Me livrei dos beijos que nunca pude dar, talvez porque não quisessem, pu estavam longe, mas isso não importa. Botei tudo junto numa caixa e despachei para longe.

Todas as juras de "amor eterno" que eu recebi, e tinham ficados guardadas aqui dentro, joguei também. Todas as ligações de apego que tinha, seja com amigos, parentes ou pessoas próximas, mandei para muito longe daqui. Quem quiser que me acompanhe, por favor.

Peguei todo aquele sentimento que tive de um relacionamento abusivo, e mandei despachar também.  Toda aquela coisa de "você nunca vai achar alguém que te ame como eu" ou até "esse seu jeito feminista vai me afastar"... e que afaste, meu bem.

Joguei tudo fora.

Desapeguei, joguei no lixo e taquei fogo.

Porque agora, nessa vida que eu estou: você fecha comigo ou some de vez da minha vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários